+55 (64) 3661-8026 | Instituto Onça-Pintada (IOP) jaguar@jaguar.org.br

Projeto Apoiado Concluído

Estudos de Mamíferos de Médio e Grande Porte na Mata Atlântica

Instituição Responsável:
Laboratório de Biodiversidade e Conservação (LaBIC), Universidade Estadual de São Paulo, Rio Claro.

No bioma mais ameaçado do Brasil, o IOP apoia trabalhos com armadilha fotográfica, para obter informações sobre presença e ausência da onça-pintada, e fatores influenciando esses parâmetros.

A Mata Atlântica é o bioma mais ameaçado do Brasil. É uma das florestas mais ricas em biodiversidade do mundo, porém, no presente, restam apenas cerca de 7% da sua cobertura vegetal original (Fonte: SOS Mata Atlântica). Nesse bioma, a onça-pintada perdeu grande parte da sua distribuição, ocorrendo hoje em populações pequenas e fragmentadas, que sofrem com a ameaça de isolamento genético, caça e diminuição de suas espécies presas.

Com o intuito de investigar a distribuição da onça-pintada nesse bioma e entender quais os fatores que a influencia, o IOP está apoiando pesquisas em diferentes áreas protegidas da Mata Atlântica, utilizando armadilhas fotográficas. No Parque Estadual Serra do Mar, a maior área protegida da Mata Atlântica, duas áreas distintas foram amostradas com o objetivo de estimar a abundância e a densidade de mamíferos, conhecer as consequências dos processos da extinção de mamíferos de médio e grande porte na herbivoria, pisoteio de plântulas e remoção de sementes. No Parque Estadual Carlos Botelho, um parque reconhecido pela UNESCO como Sítio do Patrimônio Mundial Natural, foram utilizadas câmeras para verificar a presença e a ausência de felinos, além de grandes frugívoros dispersores, predadores de sementes. Embora não tenha sido obtido registro de onça-pintada, a presença da espécie não pode ser descartada, pois há rumores de que existam exemplares em áreas adjacentes (Núcleo Cunha).

Teses associadas:

Rocha-Mendes, F. Efeito da defaunação na herbivoria, pisoteio de plântulas, remoção e predação de sementes na Floresta Atlântica. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de São Paulo, Rio Claro.

Bueno, R. S. Frugivoria e efetividade de dispersão de sementes pelos últimos grandes frugívoros da Mata Atlântica: a anta (Tapirus terrestris) e o muriqui (Brachyteles arachnoides). Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de São Paulo, Rio Claro. Início: 2008.

Adote uma onça-pintada.

Seja VoluntárioDoe Aqui