Araguaia – Corredor da Onça

Realizado em um dos maiores rios do Brasil central, este projeto visa a implementação de um corredor de biodiversidade, preservando a riqueza biológica, cultural e socioeconômica do Rio Araguaia.

Com 1800 km de comprimento, o rio Araguaia é o terceiro maior rio do Brasil fora da Bacia Amazônica, nascendo no Cerrado do Parque Nacional das Emas e desaguando na Floresta Amazônica. É um dos rios mais conservados e ricos em biodiversidade do país. Espécies que dependem de grandes áreas nativas para sobreviver, como a onça-pintada, têm no rio Araguaia um importante ambiente para se manter, reproduzir e dispersar. Além da rica biodiversidade, há ainda uma destacada diversidade cultural, importância turística e socioeconômica associada a esse rio. Acreditando na viabilidade do rio Araguaia como um corredor de biodiversidade, este projeto tem como objetivo principal estabelecer, em longo prazo, um programa de manejo do rio, que contemple suas riquezas ecológicas, sociais e econômicas.

Desenvolvido em parceria com o IBAMA e o Earthwatch Institute, o projeto teve início em 2008. A primeira fase do projeto vem sendo realizada e consiste em mapear os aspectos antrópicos e ambientais da área do corredor, definido como uma faixa de 20 km de largura de cada margem do rio. Ainda, vem sendo mapeada a distribuição de cinco espécies focais: onça-pintada (Corredor da Onça), ariranha (Ecologia e Conservação da Ariranha no médio rio Araguaia), jacaré-açu, boto cor de rosa e o bagre piraíba. Essas espécies, predadoras topo de cadeia em distintos nichos ecológicos, serão utilizadas como indicadoras da qualidade ambiental da região. O diagnóstico da situação atual do rio Araguaia e a elaboração de um plano de manejo com ações para a sua conservação finalizarão essa fase, que será seguida pela fase de implementação do Corredor de Biodiversidade do Rio Araguaia e seu manejo. Posteriormente, o corredor será monitorado em longo prazo, principalmente através das espécies indicadoras, de forma a garantir a sua funcionalidade e qualidade, tanto para a população humana, quanto para a biodiversidade local.

Teses associadas:

Zanin, M. Distribuição da onça-pintada ao longo de uma paisagem antropizada: implicações para o manejo e conservação da espécie. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Goiás. Início: 2008.

Fotos