Corredor Emas-Pantanal

O projeto investigou a distribuição de mamíferos, com enfoque nos carnívoros, ao longo do rio Taquari que corre do Cerrado para o Pantanal.

A região do corredor Cerrado-Pantanal compreende o entorno do Rio Taquari, desde as suas nascentes nas proximidades do Parque Nacional das Emas – GO (PNE), até a borda leste do Pantanal – MS, somando 350 km de extensão. Este corredor é composto principalmente por pastagens exóticas, com alguns fragmentos de remanescentes. A região representa uma potencial conexão entre o PNE, cuja fauna silvestre, devido a extensas lavouras do entorno, sofre com o isolamento de populações, e o Pantanal, responsável por abrigar grandes populações de mamíferos. Este projeto, executado em vários estudos mais específicos, teve o objetivo de analisar a funcionalidade da região como um corredor entre o Cerrado e o Pantanal, auxiliando na conservação em longo prazo das populações de mamíferos.

Embora a composição de espécies de mamíferos apresente diferenças entre o Cerrado e o Pantanal, o projeto Monitoramento de mamíferos ameaçados de extinção no corredor de conservação de biodiversidade Emas-Taquari indicou que, a região do corredor é utilizada por mamíferos dos dois Biomas. Porém, o Projeto Carnívoros do corredor Cerrado-Pantanal mostrou que os carnívoros especialistas encontrados no Cerrado, como o gato-palheiro, a raposinha-do-campo e a jaratataca, não estão presentes em áreas com alto impacto humano no corredor ou no Pantanal. Outros carnívoros foram encontrados tanto no Cerrado quanto no Pantanal, porém, em abundâncias diferentes, sendo o lobo-guará mais abundante no Cerrado e o guaxinim, a jaguatirica, o quati e o cachorro-do-mato mais abundante no Pantanal (Silveira et al. 2006).

A avaliação da relação entre a estrutura da paisagem e a riqueza de mamíferos, objetivo do projeto Estrutura de autocorrelação espacial na diversidade e abundância da fauna e estratégias ótimas de conservação ao longo do corredor Cerrado-pantanal, mostrou que em remanescentes maiores e com mais tipos distintos de habitat houve um maior número de espécies (Diniz-Filho et al. 2008).

Os resultados do Projeto Epidemiologia e parasitologia do cachorro-do-mato e lobo-guará na região do corredor Cerrado-pantanal mostraram que as duas espécies apresentaram anticorpos contra a Erlichiose (uma doença transmitida por carrapato) e contra o Toxoplasma gondii. Porém nenhum dos indivíduos amostrados apresentou sinais clínicos das doenças.

Os resultados deste projeto mostraram que apesar da sua situação ambiental de fragmentação e alteração de habitat, o eixo do rio Taquari ainda representa um corredor para diferentes espécies dos biomas Cerrado e Pantanal.

Referências:

Diniz-Filho, J.A.F., Silveira, L., Jácomo, A.T.A., Bini, L.M., Barroso, M., e Tôrres, N.M. 2008. Spatial autocorrelation of mammalian richness and abundance along the Cerrado-Pantanal corridor, Central Brazil. Neotropical Biology and Conservation 3(3):103-111.

Silveira, L., Jácomo, A.T.A., e Bini, L.M. 2006. Carnivore distribution and abundance patterns along the Cerrado-Pantanal Corridor, Southwest Brazil. Im: Morato, R.G., Rodrigues, F.H.G., Eizirik, E., Mangini, P.R., Azevedo, F.C.C., e Marinho-Filho, J. (Editors). Manejo e Conservação de Carnívoros Neotropicais. IBAMA, Brasília, Brasil.

Fotos