Distribuição Geográfica, Avaliação Genética e Odontológica da Onça-Pintada no Brasil

A distribuição geográfica, a diversidade genética e a odontologia da onça-pintada no Brasil estão sendo estudadas neste projeto através de crânios e peles de onças-pintadas apreendidos pela fiscalização dos órgãos ambientais, ou provenientes de museus e instituições de ensino e pesquisa.

A onça-pintada está classificada como ameaçada de extinção pelo IBAMA e “quase ameaçada” pela IUCN. Projetos de pesquisa com a espécie na natureza são realizados principalmente através de armadilha fotográfica, e da captura de indivíduos para coleta de material biológico e colocação de radio-transmissores. Por outro lado, uma grande quantidade de material biológico de onça-pintada (crânios e peles) é apreendida pelos setores de fiscalização dos órgãos ambientais dentro do território brasileiro. Esses materiais biológicos acabam, muitas vezes, sendo subutilizados pela ciência, apesar de serem uma importante fonte complementar de informações sobre a espécie. Com o intuito de auxiliar no estudo de três importantes tópicos para a conservação da onça-pintada: distribuição geográfica, diversidade genética e odontologia, este projeto propõe utilizar essas amostras para avançar no conhecimento da espécie numa escala de país.

A área de distribuição da espécie é estudada através do registro da origem dos materiais biológicos. As análises genéticas das amostras de peles, realizadas por laboratórios parceiros, permitem o conhecimento da variabilidade genética da onça-pintada, comparando populações de diferentes regiões brasileiras. E os crânios coletados e analisados com o auxilio de aparelho de raio X, indicam fraturas, enfermidades, extensão de lesões e grau de comprometimento de estruturas. Até o momento, amostras da região do Norte e Centro-Oeste do Brasil já foram coletadas.

A utilização desses dados será de extrema importância quando somados às pesquisas desenvolvidas em vida-livre. No final do projeto, todo o material biológico coletado será destinado para o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Predadores Naturais – ICMbio.

Fotos