Projeto Onça-Social

Em 11 propriedades rurais do Pantanal foi testado um modelo de manejo para o conflito onça-pecuarista utilizando a compensação financeira para os proprietários e assistência médica para funcionários das propriedades parceiras.

Historicamente, a onça-pintada no Pantanal causa prejuízos a rebanhos domésticos. No entanto, poucas alternativas de solucionar esse conflito parecem ser viáveis numa região de extensão e de difícil acesso como o Pantanal. Numa tentativa de solucionar esse problema histórico, em 2002, o Instituto Onça-Pintada, em parceria com a Conservação Internacional, criou o Projeto Onça-Social.

Esse projeto foi uma experiência pioneira no Brasil, criada com o objetivo de avaliar o impacto econômico e social da predação de gado por onças-pintadas e onças-pardas na região do Pantanal do Rio Negro, Miranda e Aquidauana. Um total de onze propriedades rurais foram parceiras do projeto, englobando uma área superior a 280.514 hectares onde 55.000 cabeças de gado são criadas.

Na parceria estabelecida, o Projeto Onça-Social compensou financeiramente os fazendeiros por cada cabeça de gado comprovadamente abatida por onça-pintada ou onça-parda. Em contrapartida, os fazendeiros se comprometiam a não abater, em nenhuma circunstância, as onças presentes em suas propriedades.

Como parte deste projeto, uma parceria com a UFMS e, posteriormente a UNIDERP, os funcionários das fazendas parceiras receberam assistência médica, odontológica e educacional gratuita em campanhas pré-programadas nas propriedades. As campanhas tiveram um cunho preventivo e de diagnóstico, casos emergenciais ou de impossibilidades logísticas de atendimento foram encaminhados para hospitais nos municípios próximos.

O projeto acumulou um total de 100 carcaças de gado reembolsadas, e providenciou assistência médica e odontológica a 242 pessoas entre funcionários e familiares durante quatro campanhas nos anos de 2002, 2003 e 2004. Os resultados positivos deste projeto mostram que o manejo do conflito onça-pecuarista é viável em escala local.

Leia mais sobre esse assunto:

Silveira, L., Boulhosa, R., Astete, S., and Jácomo, A. T. A. 2008. Management of Domestic Livestock Predation by Jaguars in Brazil. Cat News Special Issue 4, 26-30.

Fotos