Trechos de entrevista com Leandro Silveira

Presidente do Instituto Onça-Pintada.

 

No norte de Mato Grosso e em Rondônia ainda existem onceiros por profissão, pessoas especializadas em matar onças e que vivem disso. Em Roraima, ninguém tolera os felinos, matar onças é algo trivial.

Um dos grandes desafios é não tratar os fazendeiros como bandidos. O fazendeiro é um empresário. Ele não quer ter prejuízo. Vários proprietários são ecologicamente corretos, têm reserva legal, tudo como manda a lei.

É preciso deixar de generalizar ações num país com as dimensões do Brasil, com biomas distintos e problemas distintos. Estabelecemos um sistema de compensação: o fazendeiro localizava a carcaça e nós pagávamos o prejuízo, com um contrato para eles não matarem.

Em vez de fazer um parque nacional, patrocinaríamos a convivência pacífica nas propriedades, onde os caçadores não entram, não saqueiam.